quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Anjos e diabos

“Tem um anjinho e um diabinho aqui. O diabinho está falando pra fazer. Vai em frente, não pára”. Essa frase, para alguns, demonstra a fragilidade e instabilidade do estado psicológico do autor do crime, Lindemberg. Porém, outros peritos concluem que há na verdade um afloramento de caráter, o que evidencia a frieza e prepotência nas ações do rapaz. A questão explanada diz respeito à ausência ou presença da sanidade mental-intelectual ao sujeito do crime no momento fatídico. Mas não será esse ponto abordado aqui. É óbvio a todos, que sempre quando ocorre um crime doloso e é randomicamente adotado pela televisão que converte o factóide em um mix de novela e BBB, criando heróis, vilões, mocinhas e bandidos, mas que diferentemente da trama cavalheiresca genuína, nem sempre termina com um final feliz. Costumeiramente, à medida que a noticia escorre ao domínio público como um vírus contagioso, vai se tornado uma espécie de “sucesso”, um “hit do momento”, do qual as pessoas tratam de uma peculiar maneira, discutindo como se todo dia fosse o último capítulo. Dentro desse contexto é que entra em cena o assunto de maior relevância, a pena de morte, a qual, boa soma de brasileiros trata de modo despretensioso, e, pedantemente, mas isso é outro tema, o fruto da nossa condição sócio-educacional lastimável. No Brasil, poucos sabem, mas a pena de morte foi abolida parcialmente, atualmente só pode ser aplicada em tempo de guerra. Uma pesquisa CNI/Ibope sobre a pena de morte foi divulgada a 29 de Setembro de 2008, indicando que 54% dos entrevistados manifestaram opinião contrária à pena de morte, a favor da pena responderam 43%.

 Apesar de a maioria desaprovar esse tipo de punição, grande parte persiste em defender a pena capital, pois, muitos afirmam estar a favor como uma forma de mostrar seu descontentamento, ou sendo levados pela emoção da situação e até mesmo soltando uma bravata de momento, mas a avassaladora maioria é por pura falta de discernimento. As pessoas favoráveis, ao expressar sua opinião, muitas vezes são tidas com antiéticas; instituições de preservação da vida, como os direitos humanos, parecem ter mais afinidade com as câmeras em Santo Andre do que com o genocídio em Darfur, ou então com a guerra civil no Tibete, mas não adentraremos em tais questões.  

Na composição do mundo moderno, repleto de tabus morais e éticos, rígidos quase impenetráveis, os costumes de punir com a morte ficam restritos a países da África, Ásia e Oriente Médio e alguns desvios padrão como os Estados Unidos, lugar onde essa forma de repressão da violência funciona de maneira eficaz. O aço estrutural do pensamento conservador pode ser atribuído a igreja, cumpridora do seu papel, defende a cultura da vida, vendo a predisposição ao bem que há no homem, em contraste com a tendência atual do cultivo da morte. Em revés, paradoxalmente, em meio à banalização da criminalidade, diante de um exercício ineficaz da autoridade e de um poder corrupto por todo país, o senso comum e o juízo de valor das pessoas tendem a lastimar, a se queixar, num clamor em busca de uma mudança radical.

24 comentários:

JDS disse...

Texto excepcional cara.Concordo com tudo que foi dito nele.Inclusive, vi uma matéria na Tv sobre amores que acabam em tragédias como e o caso desse lindemberg.E o pior é a exposição excessiva que a mídia dá á esses casos, tornando pessoas famosas por um motivo tão triste.Agora enquanto á pena de morte, sou totalmente contra.Além do fato de poder haver erro,e um inocente ser morto em vão, creio que o culpado tem mais é que sofrer na cadeia pelo resto da vida.

Maicon disse...

As vezes sou a favor de pena de morte, isso faria com que o criminoso pensase 2 vezes antes de cometer algum crime.

Mais que somos nois para condenar alguem!

Isso é um lema difiçil, eu fico dividido ,,,,,,

www.seumundoaqui.blogspot.com/

Dumps disse...

Bom, não acho a pena de morte uma solução. Ainda bem que é inconstitucional, sendo somente legal em caso de guerra declarada.

Um caso como esse que aconteceu só serviu para mexer com as emoções das pessoas, tornando-as mais vingativas e violentas. A justiça não se constrói através da violência. Muito pelo contrário! Um país com pena de morte é um país estúpido, frio e que dá exemplos de violência.

Tudo bem, o Lindemberg foi covarde, frio, violento e muito egoísta. Mas isso não justifica uma morte. Afinal, quem somos nós, meros mortais, para decidir o futuro de um homem? Ele que se acerte com Deus.

Abração!

Depositório de Idéias
http://depositoriodeideias.blogspot.com/

Gustavo Rafhael disse...

Otimo texto cara.
Eu penso da seguinte forma, o Brasil não tem uma lei que possa aderir a pena de morte, pois muitos inocentes morreriam sem chance alguma de se defender.
O que nos resta e nos trancar em casa enquanto os marginais fazem a festa, pois a lei até os dias de hoje os protege. Isso é o mais vergonhoso.

Tico disse...

otimo texto

marceloclash disse...

Ótimo texto, e execelente blog. Vou olhar os outros post.

Abraço!


Visitem e deixem seus comentários.

http://tchannannan.blogspot.com/

Moniquetudybom disse...

odeio a rede record depis desse caso!
sem comentários!

Luciano Freitas disse...

excelente texto, cara. eu, particularmente, me mantenho longe da TV durante esses "surtos" de sensacionalismo. vale ressaltar que o povo brasileiro somente demonstra indgnação diante de fatos em que as globos da vida resolvem dar importância (com fins lucrativos, lógico).

quanto à pena de morte... bem, num país onde a lei só existe para os pobres, vc imagina né?

abração!

Kacau disse...

pena de morte onde as cadeias estão lotadas de pobres e negros na maioria? mas prisão pérpetua sim sou a favor principalmente para estrupadores, que passam anos e voltam a fazer o mesmo crime, a mídia televisiva por alguns meros pontos de audiência a mais, cria um vilão e uma mocinha num toque de mágica, prefiro ficar a margem, mas sempre observando, otimo seu texto.

http://messnatural.blogspot.com/

Mörgånus De Sanctis disse...

Não acompanhei esse caso. Nem à TV eu assisto, na verdade. Mas pelo texto dá pra ver que esse tal Lindemberg estava totalmente fora de si e muito consufo.

Não consigo entender como um homem pode ser tão estúpido ao ponto de perder sem precioso tempo com algo desse tipo.

Enfim... somo humanos. Não nos conformamos com nada. Fato.

Abraços e até a próxima!

---------------------------
www.contosdearmod.blogspot.com
Contos De Armond - Contos de um mundo cheio de mistérios e conflitos.

Wander Veroni disse...

Oi, Neto!

Creio que algumas pessoas são a favor da pena de morte por causa do rastro de impunidade que assola nossa sociedade. Se tivésemos realmente um sistema penitenciário justo, no qual a pessoa pagasse pelo crime que cometeu (no sentido de trabalhar duro dentro da cadeia para pagar pelo roubo ou uma espécie de indenização à familia da vítima) isso iria mudar.

No caso do Lindemberg, a polícia subestimou o rapaz o tempo todo. E ele ainda brincou d+ com a imprensa e com a polícia.

Gostei da sua análise, cara.

Abraço,

=]

-------------------
http://cafecomnoticias.blogspot.com

. disse...

Os Estados Unidos têm um sistema punitivo totalmente ultrapassado, tem uma política criminal, podemos dizer, preventiva por ameaça.
Pena de morte, podemos dizer, é algo que não se pode nem ser passível de possibilidade. Eis o problema que a mídia, imbecil, impõe à sociedade, que em sua grande massa é despretigiada de instrunção e acredita ser lei seu conhecimento vulgar sobre o caso.

Acredito que Eloá morreu por dois motivos: polícia incompetente e midia inconveniente.

. disse...

Os Estados Unidos têm um sistema punitivo totalmente ultrapassado, tem uma política criminal, podemos dizer, preventiva por ameaça.
Pena de morte, podemos dizer, é algo que não se pode nem ser passível de possibilidade. Eis o problema que a mídia, imbecil, impõe à sociedade, que em sua grande massa é despretigiada de instrunção e acredita ser lei seu conhecimento vulgar sobre o caso.

Acredito que Eloá morreu por dois motivos: polícia incompetente e midia inconveniente.

. disse...

Os Estados Unidos têm um sistema punitivo totalmente ultrapassado, tem uma política criminal, podemos dizer, preventiva por ameaça.
Pena de morte, podemos dizer, é algo que não se pode nem ser passível de possibilidade. Eis o problema que a mídia, imbecil, impõe à sociedade, que em sua grande massa é despretigiada de instrunção e acredita ser lei seu conhecimento vulgar sobre o caso.

Acredito que Eloá morreu por dois motivos: polícia incompetente e midia inconveniente.

tacaporra disse...

Muito bom, Parabéns! gostei muito dos posts!
valeu

Santiago disse...

Sou a favor da pena de morte no Brasil.

Pablo blog town disse...

pena de morte onde as cadeias estão lotadas de pobres e negros na maioria? mas prisão pérpetua sim sou a favor principalmente para estrupadores, que passam anos e voltam a fazer o mesmo crime, a mídia televisiva por alguns meros pontos de audiência a mais, cria um vilão e uma mocinha num toque de mágica, prefiro ficar a margem, mas sempre observando, otimo seu texto.[2]

Anônimo disse...

Bom post parabens

Jonathan Alves disse...

Como vocÊ consegue ter tantos blogs assim?

Betta Amigo disse...

Adorei seu blog depois de uma passada no meu http://bettaamigo.blogspot.com meu blog... sobre aquários...

Popoka disse...

Pena de morte não !!, Sou toltamente a favor dos direitos humanos,Se o GOVERNO desse educação e acompanhasse as criaças deste o nascimento ate a morte como é feito na suacia,não teriamos prisões lotadas,Em vez de se preocupar com pena de morte,deviamos se preocpar com o a educação,!!

Wander Veroni disse...

Oi, Neto!

Excelente artigo. Sou contra a pena de morte por dois motivos: o 1º ninguém tem o direito de decidir sobre a vida de ninguém. isso seria praticar outro crime em nome de uma justiça; e 2º a morte não é punição pra ninguém.

Se as penitenciárias resolvessem punir realmente os criminosos fazendo eles trabalharem mais de 16 horas por dia, com serviço braçal, e o pagamento desse trabalho fosse dado à vítima como forma de indenização, durante a pena, muito criminoso pensaria duas vezes antes de fazer qualquer coisa.

Mas há claro os casos de patologia, em que existe criminosos doentes mentais e psicopatas. O trabalho seria o mesmo, mas haveria mais tratamento e observação. Como diria o ditado, cabeça vazia é oficina do diabo.


Abraço,

=]

-------------------
http://cafecomnoticias.blogspot.com

Luis Filipe disse...

Não sou a favor da pena de morte
sou a favor da prisão perpetua,
os desgraçado tem que apodrecer hashushaushahs

jheison disse...

Sou a favor de pena de morte para aqueles que mataram...