domingo, 22 de novembro de 2015

Que saudades!

Depois de 6 anos, aqui estou novamente, ressuscitando o meu blog, e com muita sede de escrever sobre qualquer assunto que esteja em pauta. Nesse novo momento irei atualizar o blog aos poucos para manter a efetividade. Mas por enquanto nada de cara nova.

O layout continuará o mesmo, porém a página mais leve e acessível no pc e agora também no smartphone. Tentarei postar textos uma ou duas vezes por quinzena, os videos vou atualizar duas vezes na semana, e as charges logo quando surgir uma que sintonize com o tema geral do blog.  Espero que meus antigos leitores assíduos lembrem-se de mim e que tenham paciência de ler as longas e tediosas opiniões que me vieram ao espírito. Desde já agradeço aos velhos e novos leitores, e peço que divulguem este blog. Obrigado, até logo!

domingo, 4 de outubro de 2009

Olimpíadas bolivarianas


Aquele bigodão e o chapéu de fazendeiro latifundiário não enganam, o populismo já chegou a Honduras, a influência chavista surte resultados visíveis em toda América Latina. No caso Zelaya podemos aferir que a suposta democracia criada por Chavez, essa que almeja o poder absoluto e definitivo, sem liberdade de imprensa e aniquila os ideais de qualquer movimento de oposição, se expande perigosamente pela America Central, até porque o próprio Daniel Ortega, populista, presidente da Nicarágua foi quem ajudou o presidente deposto.
Na história do avião em que Zelaya chegou a Honduras, Chavez armou um belo esquema para mais uma vez interferir na política interna de um país alheio. O avião venezuelano, sem dúvida alguma foi enviado com aval de Hugo e com um belo presente surpresa para Lula. Um mais sarcástico se ariscaria a dizer que o choro de Lula no COI, foram as lágrimas do desabafo por ter sido apunhalado pelas costas no caso Zelaya. Lula esse sustentando sempre a figura do sujeito do “deixa disso”, “pega leve”, o interventor, sempre o elemento de dissuasão dos pequenos conflitos políticos na América do Sul, inclusive tendo papel pacificador na relação Chavez-EUA.
Lula e sua benevolência foram usadas por Chavez como artifício para legitimar a permanência de Zelaya na embaixada brasileira, pois nosso presidente sempre foi hábil com os populistas bolivarianos da nossa América, e nunca iria dizer um ‘não’ à democracia que batia a sua porta, logo porque Zelaya é considerado um presidente democrata, mesmo que, assim como o companheiro venezuelano, quisesse a eleição eterna e o poder pleno. Assim, Lula que sempre fez corpo mole está dessa vez está no olho do furacão, tendo de se posicionar, sair de cima do muro que divide a democracia clássica que ele diz praticar no Brasil, e a democracia bolivariana do “companheirito” Chavez.
Chavez nos fez descer ao limiar equivalente ao seu, foi realmente um belo golpe. Isso nos faz refletir sobre quem nessa história e o verdadeiro golpista. Será Micheletti presidente de facto, Lula o chamou de golpista, mas e Zelaya, ele queria dar um golpe constitucional; a suprema corte, os militares e até mesmo a igreja desejavam seu afastamento do poder, entretanto foi eleito pelo povo, que o adora, logo não devia ter sido deposto, nisso há legitimidade. No meio da discussão estamos nós com a embaixada virada em uma zona e um palanque político. Chavez ligou para Lula felicitando-o pela escolha do Rio como seda das Olimpíadas 2016, os dois continuam amigos, inseparáveis.